Receba as atualizações, novidades, lançamentos, dicas, artigos e muito mais! Inscreva seu e-mail:

30/07/2012

Se não houver ação, não haverá solução

Por incrível que pareça, vejo muitas pessoas que ficam surpresas ou que simplesmente não acreditam, quando vêm outras que eliminaram muitos kilos de forma ‘natural’, ou seja, praticando a mudança de hábitos.

A grande verdade é que os comportamentos a serem praticados são simples, e a maioria ainda mantém expectativas (irrealistas) de que algo mirabolante surgirá, e que não exigirá que as mesmas movam um braço para emagrecer/ manter o peso, por isso não colocam em prática as estratégias abaixo:

Substituir alimentos e planejar as refeições 

Estar atento (a) à quantidade e qualidade do que se come


Fracionar as refeições (comer de 3 em 3 horas ou fazer de 5 à 6 refeições diárias)
Alimentar-se em horários regulares

Beber muita água

Determinar um dia da semana para degustar suas guloseimas



Praticar atividade física




Não ser extremista e caso tenha passado da medida, voltar ao plano de emagrecimento imediatamente


Fazer todos os dias o diário alimentar e também registrar nele situações que mexem com seu emocional. O diário ajuda a monitorar seu padrão alimentar e também a conhecer um pouco da sua vida emocional




Nunca comer em pé ou beliscar enquanto prepara uma refeição

Descansar os talheres no prato entre uma garfada e outra


Mastigar no mínimo 15 vezes

Simples, não é mesmo? E justamente por esta razão, que muitos desacreditam que possam ajudar a mudar seus estilos de vida. Mas se estes comportamentos forem praticados diariamente, aos poucos os resultados irão aparecer.


Precisamos criar uma rotina do nosso comportamento alimentar, precisamos repetir as atitudes e mudar nossa visão a respeito de emagrecimento.

Entendo e concordo que para muitas pessoas colocar em prática sozinhas é mais complexo, devido a uma série de fatores emocionais e situacionais que possam estar vivenciando no momento que acabam por dificultar este processo, mas porquê não investem em ajuda especializada?

Vejo várias pessoas necessitando mudar e desejando emagrecer, mas não buscam ajuda. Os motivos? Não posso afirmar, mas pode ser que não acreditem nas orientações do nutricionista ou do psicólogo, podem até mesmo não estarem dispostas a investirem financeiramente, ou qualquer outro motivo...

Contudo, sabemos que se não for feito algo diferente do que se costuma fazer, não haverá mudanças, visto que as mesmas podem ser simples, mas se não houver ação não haverá solução!

Pensem nisso.

Abraços,

Psicóloga Clínica Carla Presutti
.


'Não faça dieta. Mude hábitos!'

20/07/2012

Os outros que ajudam (ou não), por Contardo Calligaris

Li este texto e achei muito interessante o que este psicólogo descreveu, e por isso quero compartilhar com vocês para mais uma vez refletirmos sobre o assunto de todos os dias: Emagrecer, manter o peso, mudar os hábitos e ter uma vida saudável... Ah! Além de se amar mais e estar bem emocionalmente, é claro!
 

Vejam o que Contardo Calligaris diz:

‘Amigos e próximos, em vez de nos ajudar com reforços positivos, torcem contra nossos esforços para mudar’




Muitos anos atrás, conheci um alcoólatra, que, aos 40 anos, quis parar de beber. O que o levou a decidir foi um acidente no qual ele, bêbado, quase provocara a morte da companheira que ele amava, por quem se sentia amado e que esperava um filho dele.

O homem frequentou os Alcoólatras Anônimos. Deu certo, mas, depois de um tempo, houve uma recaída brutal. Desanimado, mas não menos decidido, com o consenso de seu grupo dos AA, o homem se internou numa clínica especializada, onde ficou quase um ano -renunciando a conviver com o filho bebê.

Ele voltou para casa (e para as reuniões dos AA), convencido de que nunca deixaria de ser um alcoólatra -apenas poderia se tornar, um dia, um "alcoólatra abstêmio".

Mesmo assim, um dia, depois de dois anos, ele se declarou relativamente fora de perigo. Naquele dia, o homem colocou o filhinho na cama e, enfim, sentou-se na mesa para festejar e jantar.

E eis que a mulher dele chegou da cozinha erguendo, triunfalmente, uma garrafa de "premier cru" de Château Lafite: agora que ele estava bem, certamente ele poderia apreciar um grande vinho, para brindar, não é?

O homem saiu na noite batendo a porta. A mulher que ele amava era uma idiota? Ou ela era (e sempre tinha sido) companheira, não da vida do marido, mas de sua autodestruição? Seja como for, a mulher dessa história não é um caso isolado.

Quem foi fumante e conseguiu parar, quase certamente encontrou um dia um amigo que lhe propôs um cigarro "sem drama": agora que você parou, vai poder fumar de vez em quando -só um não pode fazer mal.

Também há parentes e próximos que patrocinam qualquer exceção ao regime que você tenta manter estoicamente: se for só hoje, uma massa não vai fazer diferença, nem uma carne vermelha. Seja qual for a razão de seu regime e a autoridade de quem o prescreveu, para parentes e próximos, parece que há um prazer em você transgredir.

Em suma, há hábitos que encurtam a vida, comprometem as chances de se relacionar amorosa e sexualmente e, mais geralmente, levam o indivíduo a lidar com um desprezo do qual ele não sabe mais se vem dos outros ou dele mesmo.

Se você precisar se desfazer de um desses hábitos, procure encorajamento em qualquer programa que o leve a encontrar outros que vivem o mesmo drama e querem os mesmos resultados que você. É desses outros que você pode esperar respeito pelo seu esforço -e até elogio (quando merecido).



Hoje, encontrar esses outros é fácil. Há comunidades on-line de pessoas que querem se livrar de seu sedentarismo, de sua obesidade, do fumo, do alcoolismo, da toxicomania etc. Os membros de uma comunidade registram e transmitem, todos os dias, seus fracassos e seus sucessos. No caso do peso, por exemplo, há uma comunidade cujos membros instalam em casa uma balança conectada à internet: o indivíduo se pesa, e a comunidade sabe imediatamente se ele progrediu ou não.

Parêntese. A balança on-line não funciona pela vergonha que provoca em quem engorda, mas pelos elogios conquistados por quem emagrece. Podemos modificar nossos hábitos por sentirmos que nossos esforços estão sendo reconhecidos e encorajados, mas as punições não têm a mesma eficácia. Ou seja, Skinner e o comportamentalismo têm razão: uma chave da mudança de comportamento, quando ela se revela possível, está no reforço que vem dos outros ("Valeu! Força!").




Já as ideias de Pavlov são menos úteis: os reflexos condicionados existem, mas, em geral, se você estapeia alguém a cada vez que ele come, fuma ou bebe demais, ele não parará de comer, fumar ou beber -apenas passará a comer, fumar e beber com medo.

Volto ao que me importa: por que, na hora de tentar mudar um hábito, é aconselhável procurar um grupo de companheiros de infortúnio desconhecidos? Por que os próximos da gente, na hora em que um reforço positivo seria bem-vindo, preferem nos encorajar a trair nossas próprias intenções?

Há duas hipóteses. Uma é que eles tenham (ou tenham tido) propósitos parecidos com os nossos, mas fracassados; produzindo nosso malogro, eles encontrariam uma reconfortante explicação pelo seu.

Outra, aparentemente mais nobre, diz que é porque eles nos amam e, portanto, querem ser nossa exceção, ou seja, querem ser aqueles que nós amamos mais do que nossa própria decisão de mudar. Como disse Voltaire, "Que Deus me proteja dos meus amigos. Dos inimigos, cuido eu".

Fonte:
Folha de São Paulo

‘Não faça dieta. Mude hábitos!’

17/07/2012

5 dicas para aumentar o ânimo

Tristeza, desânimo, depressão: quando as coisas começam a tornar-se sombrias ou fica mais difícil levar a vida, é preciso procurar ajuda. Normalmente, a melhor estratégia é o autocuidado (como alimentação adequada e prática de exercícios). Para aquele estado de desânimo ou uma fase triste na vida, há opções de antidepressivos naturais que podem ter efeito. 

Veja alguns itens que podem levantar o ânimo ou ajudar no tratamento da depressão.

Como critério, foram utilizadas meta-análises (revisões de vários estudos) da organização Cochrane, rede global dedicada à revisão de pesquisas na área de saúde.

 1) Exercícios


 O exercício estimula a secreção de endorfinas, que causam sensação de bem-estar. "Além disso, melhora a circulação e a oxigenação do cérebro. E tem efeitos indiretos em sintomas ligados à depressão, como a qualidade do sono", diz Frederico Navas Demetrio, do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo.

Em geral, acredita-se que os exercícios de maior intensidade sejam mais eficazes. Mas, na revisão de 25 estudos feita pela organização Cochrane, que confirmou que a atividade física melhora os sintomas de depressão, os pesquisadores afirmaram que não há evidência sobre qual tipo de exercício é mais eficaz. O que costuma funcionar melhor é praticar uma atividade física que dê prazer.

2) 5 HTP (hitroxi-triptofano)

 
 O triptofano é um aminoácido essencial, encontrado especialmente em alimentos proteicos, como carnes e laticínios. Não é produzido pelo corpo e precisa ser adquirido via alimentação. Esse aminoácido leva à produção de serotonina, neurotransmissor relacionado ao prazer e ao bem-estar.

Por isso, a suplementação de 5 HTP pode ser usada em alguns casos de depressão e tristeza. "É mais indicado para quem tem a deficiência do nutriente, causada, por exemplo, por dietas vegetarianas pobres em proteínas.

Uma alimentação equilibrada supre as necessidades de triptofano", diz Vânia Assaly, endocrinologista e nutróloga, membro da International Hormone Society.

Para ela, o suplemento age especialmente na melhora do sono, na redução da voracidade noturna e em transtornos leves de humor. Os suplementos dietéticos de 5 HTP são produzidos principalmente a partir de uma planta africana, a Griffonia simplicifolia.

Em uma meta-análise, pesquisadores da Cochrane encontraram evidências de que o 5 HTP é melhor do que placebo para aliviar sintomas da depressão. Notaram, porém, que a maioria dos estudos não atingiu todos os critérios de qualidade e que mais pesquisas devem ser feitas para verificar possíveis efeitos adversos.

Segundo Frederico Demetrio, do HC, os primeiros estudos com 5 HTP foram interrompidos porque seu uso provocou dores musculares, mas elas foram atribuídas a impurezas no produto utilizado. "Em tese, o 5 HTP de boa qualidade, purificado, pode funcionar."

Porém, o 5 HTP pode interagir com antidepressivos sintéticos, levando à concentração excessiva de serotonina. É contraindicado, ainda, para pacientes com tumores malignos ou doenças cardiovasculares.

3) Meditação

Estudos mostram que a meditação produz mudanças no cérebro, como a redução ou o aumento da atividade de certas regiões. "A hipótese é que reduza hormônios como o cortisol, diminuindo a ansiedade, e promova liberação de endorfinas, ligadas à sensação de prazer", diz José Roberto Leite, coordenador da unidade de medicina comportamental da Unifesp.

Em 15 pesquisas analisadas pela organização Cochrane, pessoas que meditaram apresentaram melhora da depressão em comparação com as que não fizeram nenhum tratamento. O estudo concluiu que a técnica tem potencial para ser o tratamento inicial do problema, especialmente para pessoas jovens, com o primeiro episódio de depressão ou com quadro considerado bem leve.

Para Leite, os maiores cuidados devem ser tomados com pessoas com tendências autodestrutivas, como pensamentos suicidas. "São casos em que é preciso muito acompanhamento, e a meditação não pode ser o tratamento principal."

Ele diz que, em geral, a meditação é uma técnica eficaz e de baixo custo para diminuir os sintomas e reduzir as reincidências do distúrbio. Para ter efeito, ele recomenda que seja praticada, no mínimo, quatro vezes por semana. "No início, a pessoa pode praticar por cinco a oito minutos. Em uma semana, ela já consegue meditar por dez minutos e vai aumentando gradativamente até chegar a 30 minutos, o que é suficiente para obter os efeitos", diz Leite.

4) Suplementos de vitaminas B12 e B9 (ácido fólico)


As vitaminas B12 e B9 são essenciais para a fabricação de diversos neurotransmissores e atuam como modulares dos sistemas neurológico e hormonal. Em pessoas deprimidas, pode ser observada uma diminuição dos níveis desses nutrientes presentes no sangue.

A suplementação dessas vitaminas pode aliviar sintomas de depressão e potencializar efeitos de medicamentos antidepressivos. Costuma ser indicada para pacientes com sintomas de deficiência nutricional e alcoólatras (que normalmente apresentam deficiência de nutrientes e, em especial, falta de vitamina B 12).

Uma análise de estudos realizada pela Cochrane, envolvendo um total de 151 pessoas, indicou que o uso de vitamina B9 (ácido fólico) em conjunto com outros tratamentos diminui o grau de depressão dos pacientes. No entanto, os estudos não mostram se o efeito ocorre tanto em pessoas com deficiência do nutriente quanto nas com níveis normais de vitamina B9.

Em caso de desânimo ou tristeza não patológica sem causas aparentes, pode ser investigada a falta dessas vitaminas por meio de exame de sangue. Nessa circunstância, a suplementação pode ser suficiente.

Nos casos de depressão, é necessário corrigir a deficiência, se constatada, mas a suplementação é considerada um adjuvante do tratamento, e não o foco principal.

Em pacientes que não estão respondendo aos tratamentos, é recomendado checar os níveis dessas vitaminas encontrados no sangue e a suplementação pode auxiliar na obtenção de resultados.

Aparentemente, não há efeitos adversos e interações medicamentosas com o uso de suplementos de vitaminas B9 e B12. O excesso desses nutrientes no organismo é eliminado naturalmente pela urina.

5) Erva-de-são-joão



O extrato da erva-de-são-joão (Hypericum perforatum L) é um dos chamados antidepressivos naturais mais estudados. Porém, seu mecanismo de ação ainda não está totalmente esclarecido. "Aparentemente, seus princípios ativos têm ação semelhante à dos [medicamentos sintéticos] inibidores da recaptação de serotonina", diz Frederico Demetrio, do HC de São Paulo.

A serotonina é um neurotransmissor que modula o humor e provoca bem-estar. Baixos níveis da substância estão relacionados aos quadros de depressão. Os inibidores de recaptação aumentam a disponibilidade da serotonina no sistema nervoso central.

Uma meta-análise feita pela organização Cochrane concluiu que o extrato de erva-de-são-joão tem efeito superior ao do placebo e similar ao dos medicamentos sintéticos no tratamento de depressão leve a moderada.

Foram analisados 29 estudos, que incluíam, no total, 5.489 pacientes.

Os autores ressaltam que, como há grande variedade de produtos à base de erva-de-são-joão no mercado, os resultados só são aplicáveis para as preparações testadas nos trabalhos incluídos na meta-análise. "É preciso usar extrato de qualidade com as concentrações adequadas dos princípios ativos da planta", diz Demetrio.

Segundo o psiquiatra, o uso e a dosagem devem ser indicados e supervisionados por médicos, e os efeitos começam a ser percebidos após duas semanas, aproximadamente.

O mais importante é saber que a erva-de-são-joão interage com outros medicamentos e não pode ser usada com alguns deles. "O uso associado a outros antidepressivos, por exemplo, pode levar à síndrome serotoninérgica [concentração excessiva de serotonina], que causa de mal-estar a alucinações", afirma Demetrio.

O mesmo pode ocorrer com alguns remédios usados para emagrecimento.

O extrato também diminui a absorção de remédios anticoagulantes e de algumas drogas quimioterápicas, prejudicando o tratamento.

Entre os efeitos adversos, a erva-de-são-joão pode aumentar a fotossensibilidade -causando manchas e eczemas na pele com a exposição à luz- e causar secura na boca e constipação intestinal.



16/07/2012

Superando a si mesmo


‘O importante é isso: estar pronto para, a qualquer momento, sacrificar o que somos pelo que poderíamos vir a ser’. (Charles Du Bois)



A vida é feita de escolhas e precisamos aceitar que não podemos ter tudo. Aprender a estabelecer prioridades e não ceder aos desejos imediatos vão ajudar a alcançar suas metas.

Algo só é conquistado porque houve esforço, dedicação, foco, determinação, superação da frustração em ter que abrir mão de algo e paciência.
Pensem nisso e força sempre!

Abraços,

Psicóloga Clínica Carla Presutti.

“Não faça dieta. Mude hábitos!”

13/07/2012

Amêndoas ajudam no emagrecimento


Para quem gosta de amêndoas, uma boa notícia: elas são menos calóricas do que se acreditava. Segundo cientistas do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, amêndoas inteiras fornecem cerca de 20% menos calorias do que se pensava até então.

Os pesquisadores utilizaram um novo método de medição que permitiu determinar o número de calorias das amêndoas que é absorvido durante a digestão. Os resultados mostraram que uma porção de 28 gramas de amêndoas (cerca de 23 frutas) tem 129 calorias, 31 calorias a menos do que as 160 indicadas nas embalagens do produto.


 Além disso, segundo os pesquisadores, uma pessoa que incorpora 84 gramas de amêndoas na dieta, em substituição à mesma quantidade de outro alimento, pode eliminar até um quilo de peso por mês.

A pesquisa será apresentada na edição de agosto da American Journal of Clinical Nutrition.

Fonte: Boa saúde / autora Autor: Natália Barbosa

 
“Não faça dieta. Mude hábitos!”
 

10/07/2012

Benefícios da atividade física

Por: Marcelle Pinheiro - Fisioterapeuta

Praticar atividade física faz bem ao corpo e a mente. Confira os benefícios gerais da atividade física e os benefícios da atividade física na adolescência, na terceira idade e durante a gravidez.



 Os benefícios gerais da atividade física são:

    Emagrecer, combatendo a obesidade;
    Melhorar a circulação sanguínea;
    Aumenta o metabolismo;
    Fortalecer o sistema imune;
    Diminuir os riscos de doenças cardíacas;
    Aumentar a resistência dos ossos, prevenindo a osteoporose;
    Melhorar a coordenação dos movimentos e do equilíbrio;
    Aumentar a boa disposição e o bom humor;
    Diminuir o estresse, risco de ansiedade e depressão;
    Promover uma maior interação social;
    Melhorar a imagem corporal e a auto estima e
    Melhorar a capacidade de aprendizagem.

Benefícios da atividade física na adolescência

Além de todos estes benefícios acima citados, outros benefícios da atividade física na adolescência são:

    Combater o excesso de peso;
    Melhorar a auto-estima;
    Diminuir a depressão;
    Melhorar o desempenho escolar;
    Diminuir o estresse e o cansaço;
    Melhorar a postura;
    Melhorar a aparência da pele.

Se o adolescente gozar de boa saúde física e mental ele poderá realizar qualquer atividade física, à livre escolha, pois nesta faixa etária têm-se mais força, boa disposição e o risco de doenças é muito reduzido.
Benefícios da atividade física na terceira idade

Os benefícios da atividade física na terceira incluem:

    Melhora do equilíbrio, diminuindo o risco de quedas e consequentemente de ossos quebrados;
    Diminui a perda de massa óssea, tornando os ossos mais fortes;
    Diminui a pressão arterial;
    Melhora a digestão dos alimentos;
    Melhora a Diabetes, por aumentar a resistência à insulina;
    Melhora o andar, devido ao fortalecimento dos músculos e aumento da flexibilidade;
    Diminui a depressão, devido à interação social e liberação das endorfinas;
    Melhora a auto-estima;
    Diminui as varizes e as doenças cardiovasculares;
    Melhora a capacidade de reflexos;
    Melhora a postura corporal;
    Melhora a respiração e a circulação sanguínea;
    Diminui o risco de infecções respiratórias;
    Aumenta a capacidade respiratória;
    Diminui o inchaço das pernas;
    Diminui a dor nas costas.

Mas para conseguir alcançar todos estes benefícios o indivíduo deve realizar a atividade física que mais gosta, no mínimo 3 vezes por semana, sempre acompanhado de um educador físico e sob orientação médica.
Benefícios da atividade física na gravidez

Os benefícios da atividade física na gravidez, são:

    Melhorar a capacidade respiratória, diminuindo a falta de ar;
    Diminuir o inchaço das pernas e pés;
    Melhorar a capacidade cardíaca, facilitando o trabalho de parto e a sua recuperação;
    Combater o excesso de peso;
    Melhorar a flexibilidade;
    Aumentar a força muscular;
    Diminuir a pressão arterial;
    Diminuir o colesterol alto;
    Diminuir a dor nas costas;
    Baixar os níveis de glicose no sangue;
   Aumentar a circulação sanguínea de modo benéfico para o bebê que recebe mais oxigênio.


As atividades físicas mais indicadas para a gravidez são, caminhada, hidroginástica, natação leve e alongamentos, pois são exercícios de baixo impacto, que não irão prejudicar o bebê em nada.

O melhor horário para praticar a atividade física é pela manhã, pois assim o metabolismo fica mais acelerado e fica mais fácil emagrecer e tem-se mais disposição para enfrentar o dia a dia.

Mas para conseguir alcançar todos os benefícios da atividade física é preciso praticar os exercícios com regularidade.

Fonte: http://www.tuasaude.com/beneficios-da-atividade-fisica

"Não faça dieta. Mude hábitos!"

Faça parte do Emagrecendo Com A Cabeça. Siga-nos!